27 de fev de 2009

Em busca.


O Sol se punha lentamente. O céu sorria em cores e tons variados. O azul dava lugar a uma mistura perfeita entre o vermelho, o laranja e o amarelo. As nuvens emolduravam todo o quadro em seu campo de visão. Toda essa beleza o deixava mais sedento.

Sua alma desfalecia a cada momento que pensava Nele. Era algo incontrolável. Um desejo ardente. Constante. Desesperador.

“Sacia-me Deus. Eu preciso de Ti. Eu necessito. Mais do que tudo. Não há razão sem Ti”. Essa era a oração constante em seus lábios, coração e espírito. Chegava a sentir o peito doer pelo anseio de Sua Presença.

Já havia um certo tempo que O tinha aceitado. Ele até achava que o servia da forma “correta”, seguindo todos os padrões impostos. Porém, nos últimos dias, uma máscara caíra. Ele via o seu próprio pecado e dor. Reconhecia o quanto tinha andado longe Dele e o quanto precisava urgentemente de Sua Graça. Via também o erro dos outros. Sem julgar ninguém, apenas chorava, gemia, intercedia. Como os outros conseguem viver assim, tão longe?. Questionava-se, sem respostas. Apenas chorava. E orava.

Ah, sua vida de oração mudara completamente. Seu período de jejum também. O tempo em comunhão na igreja tornara-se diferente. A Palavra criara vida. No entanto as mudanças ocorriam por dentro. O que na verdade importava não era o tempo da oração, e sim sinceridade da mesma. No jejum, compreendeu o que era sacrifício. Na igreja, entregava-se inteiro em momentos de adoração. Alimentava-se sem se farta (nunca) de ler sua Bíblia

Seu secreto era precioso. Um tempo só dele e do Amado. Intimidade. Comunhão. Entrega. Devorava a Bíblia em busca Dele somente. Entoava hinos que brotavam espontaneamente. Escrevia poesias e textos como forma de gratidão.

Tudo isso ainda era pouco.
Tudo isso ainda o deixava mais sedento.

De fato, sua alma estava sedenta como a corça em busca do manancial.
Como a terra seca por chuva. Por abundante chuva.

Em seu coração, de forma suave e mansa, ouvia uma voz, ou melhor, um sussurrar que dizia: “ -Busque-me filho. Busque-me mais. Busque-me mais. Estou aqui. Busque-me. Serei achado teu. Busque-me. Me revelarei. Busque-me mais. Busque-me. Busque-me...”

E ele O buscava.
Intensamente.

4 comentários:

Canteiro Pessoal disse...

Alphorriado, Bom dia !
O que dizer sobre cada letra entonada neste espaço, creio que será vã tentativa de minha parte, pois, que riqueza há em cada nota.
Escrito que foi uma pitadinha de ânimo em minha alma, pois estou debilitada na área da saúde, escrevo neste comentário em estado febril, mente como se não processasse nada direito, mas num ato de coragem, contra um decreto de enfermidade que se aloja, assim, como Moiséis fez no dar o primeiro passo e no levantar o cajado para o mar se abrir.
Ontem, veio a memória algo que escrevi; "Trindade... Deixe-me ler seus olhos.
Deixe-me ler o livro que é contato em seus olhos.
Deixe-me ler os segredos que há em cada parágrafo de seus olhos.
Deixe-me acostumar a olhar a vida através dos seus olhos".

Buscar é o primeiro passo a tomar para que o mar se abra em nossa vida.

Abraços e paz.

Pri C. Figueira disse...

Nossa, tive que tomar fôlego lendo seu texto!
Que lindo!
Tão intenso!

Como sempre seus textos me fazem parar e pensar... Sabe, quantas vezes achamos que servimos de forma "correta", com os passos firmes na Sua vontade, mas Ele vem e permite que vejamos nosso pecado!
Isso dói, mas é bom, pois reconhecemos que não somos nada sem Ele, vazios, ocos, que há uma necessidade constante de buscá-LO!

Pois é na dependência que o servimos, não que não pequemos, mas estamos ali debaixo de Suas asas e recorrer a quem se não Ele?

Ahhh, que O busquemos mais e mais!!
Que seja esse meu desejo... Mais e mais da Sua presença!

LINDO

bjs

p.s.: Respondi seu e-mail, aguardo ansiosa, amei as suas imagens e se eu encontrar mais te mando!

Abraços!

Uerlle Costa disse...

sempre em busca.!

Nathália Monte. disse...

nunca mais passei por aquii ;D
beijO