22 de mai de 2012

Chuva!

- Venha, me dê a mão. A chuva tá uma delícia.
- Não, não vou! Não quero me molhar.
- Deixe de besteira, depois você se seca. Vem logo!
- Já disse que NÃO! E já já essa chuva passa também...
- Mas não importa o tempo, e sim o momento. O agora! Vem logo.

Ela abriu um leve sorriso e correu para os braços dele.
E então dançaram eternamente os 10 minutos daquela chuva sem se preocupar com mais nada!

Um comentário:

Juliano Martinz disse...

Ainda danço na mesma chuva que enfrentei 20 anos atrás. Ainda sinto seus pingos rompendo a carapaça do cansativo agora, me levando a um momento eternizado onde vale a pena residir.